Como aumentar a testosterona?

Para aumentar a testosterona, focado na forma natural, é indicado que se faça uma alimentação rica em zinco, vitamina A e D, realize exercícios de musculação, tenha noites adequadas de sono e mantenha-se no peso ideal. Em certos casos, a suplementação pode ser necessária.

A testosterona está ligada à libido e à fertilidade. Por isso, o aumento deste hormônio é essencial para os homens, apesar de também ser encontrado, em menores quantidades, nas mulheres.

Alimentação para aumentar a testosterona

Tomar sol é um fator importante, para garantir a vitamina D. Como consequência, os níveis de testosterona também aumentam porém, vale destacar que se expor ao sol tem limites: a recomendação é antes das 11 horas e depois das 16 horas.

Os alimentos que aumentam a testosterona – que possuem vitamina A, D e zinco – são os seguintes:

  • Castanhas;
  • Espinafre;
  • Feijão;
  • Fígado;
  • Manga;
  • Óleo de peixe;
  • Ostras;
  • Ovo;
  • Salmão;
  • Sardinhas;
  • Sementes de girassol;
  • Tomate.

A indicação é que você reduza o consumo de alimentos com açúcar e soja, pois eles podem afetar os níveis de testosterona. Procure um nutricionista, a fim de elaborar uma dieta que atenda todas as necessidades desse hormônio em seu organismo.

A dieta aliada aos exercícios físicos promoverá ótimos resultados, mas, lembre-se: a atividade física intensa (exercícios de musculação) deve ser feita durante, pelo menos, 30 minutos.

Sintomas e causas da deficiência de testosterona

Alguns efeitos podem surgir, quando acontece diminuição na produção de testosterona nos homens. São eles:

  • Aumento da massa de gordura;
  • Aumento do risco de fraturas;
  • Comprometimento das funções cognitivas;
  • Depressão;
  • Diminuição da libido;
  • Diminuição da massa muscular;
  • Fadiga;
  • Perda de força;
  • Perda de massa óssea;
  • Redução da fertilidade;
  • Risco de diabetes, pois há aumento de resistência à insulina.

Níveis baixos de testosterona são bem mais frequentes do que se previa anteriormente. Não somente homens com deficiências congênitas ou com falência testicular ocasionada por tumores na hipófise ou traumatismo na bolsa escrotal podem sofrer com esse problema. Destacam-se, ainda:

  • Infecção pelo HIV;
  • Obesidade grau III;
  • Estresse psicológico;
  • Doenças debilitantes.

Por curiosidade, até alguns medicamentos (como os derivados da cortisona) possuem como efeito colateral a redução dos níveis de testosterona.

Controlar os níveis sanguíneos deste hormônio se dá pelo exame de sangue, geralmente com indicação mensal, para tratar qualquer disfunção sexual que possa surgir.